Durante um período de treinamento físico competitivo, muitos atletas sentem que seu corpo tem dificuldades de realizar tarefas que anteriormente eram tidas como fáceis, porém agora atingir ou quebrar certas marcas parece ser impossível. Além disso, em alguns casos a execução de determinados gestos já aprendidos, voltou a apresentar erros de finalização antes inimagináveis.

O overtraining ou sobretreinamento é uma síndrome cuja característica mais aparente é a queda do desempenho físico. Diversas pesquisas foram realizadas para determinar marcadores bioquímicos e assim tentar prever o sobretreinamento, porém até agora pouco se avançou neste sentido. Muitas teorias são propostas para tentar explicar seus efeitos no organismo, porém o fator mais bem estudado parece ser a combinação de alta intensidade e frequência de treinamento com períodos de repouso inadequados. Esta condição se contrapõe ao efeito de supercompensação promovido pelo treinamento físico (FIGURA 1).

Em algumas situações treinadores utilizam períodos de treinamento “excessivo”, visando causar uma resposta compensatória amplificada em períodos próximos a uma competição, denominado overreaching. Neste caso, a sensação de cansaço aparente cessa com repouso adequado (STONE et al, 1991).

As principais características do sobretreinamento são (JOHNSON & THIESE, 1992):

– diminuição de desempenho físico
– cansaço anormal
– desânimo (depressão)
– alterações de humor
– falta de apetite
– alterações gastrointestinais
– insônia
– queda da imunidade

O trabalho de MARGONIS et al (2007) mostrou que o sobretreinamento se relaciona com um excesso na produção de radicais livres em seres humanos, porém não foi possível fazer avaliações mais detalhadas. Em sua dissertação de Mestrado o professor Dionizio Mendes Ramos Filho mostrou que animais submetidos a um protocolo experimental para indução de overtraining apresentaram uma maior produção de radicais livre no fígado, sem que tenham sido observadas quaisquer alterações significativas no tecido muscular esquelético divergindo do senso comum onde somos levados a pensar que apenas este tecido sofre os efeitos do exercício físico.

Existe uma forma de prevenir o overtraining ?
Infelizmente ainda não está totalmente definida uma forma eficaz para prevenir o overtraining, uma vez que muitos atletas esão sujeitos aos calendários esportivos, que muitas vezes não podem ser adequados às rotinas de cada um.

A melhor estratégia por enquanto parece ser mesmo a monitorização do atleta, buscando sempre avaliar seu estado físico e mental, aplicando sempre que necessário períodos de repouso e estratégias de recuperação. Via de regra o desempenho físico é considerado como padrão-ouro no diagnóstico do overtraining e por isso também deve ser sempre monitorado.

Pense nisso !!!

Como citar:
De acordo com a norma NBR 6023 da ABNT esse post deve ser citado como: CASIMIRO-LOPES G. Overtraining – Quando o corpo chega no limite. Blog PenseETreine. Rio de Janeiro, ano 1, agosto. 2011. Disponível em: [endereço da URL]. Acesso em: dia mês. ano.

(Publicado originalmente em 11/08/2011)